Cruzeiro fluvial ou marítimo? Veja as diferenças : 21/01/2015


Navegação noturna está entre os atrativos dos cruzeiros fluviais Foto: AmaWaterways/Divulgação

O mercado de cruzeiros de luxo tem crescido entre os brasileiros, que após aproveitarem a ampliação do mercado de viagens marítimas no Brasil começam a buscar alternativas fora do país. Uma das mudanças pode ser de águas, com a opção por cruzeiros fluviais que, apesar de existirem no país com viagens pelo Amazonas, são mais comuns em destinos como a Europa.
Quem está acostumado aos grandes transatlânticos marítimos, a alternância para um navio de rio pode ser bastante impactante. Desde o tamanho da embarcação até a oferta de entretenimento, quase tudo muda entre os cruzeiros marítimos e fluviais. O site especializado Cruise Critic fez uma lista de tudo o que quem migra dos transatlânticos precisa saber sobre os navios de rio. Confira:

1 - De gigantes para micro - A primeira grande diferença entre um cruzeiro marítimo e um fluvial está no tamanho dos navios. Enquanto os primeiros são gigantes e capazes de carregar milhares de hóspedes, os outros raramente passam dos 200 passageiros. Essa diferença garante maior tranquilidade e menos movimento, mas também significa que a embarcação possui menos opções de restaurantes e de entretenimento. 

2 - Cabines - Os quartos em navios marítimos podem ser pequenos ou gigantes, o que não ocorre em navios fluviais. Não há suítes espaçosas nem cabines para famílias para acomodar cinco ou mais pessoas. As companhias, no entanto, têm investido em designs criativos para adicionar varandas e usar da melhor o pouco espaço.

3 - Poucos restaurantes - Enquanto nos transatlânticos as opções culinárias são diversas, nos pequenos navios fluviais é comum encontrar apenas um restaurante, e buffets no almoço e café da manhã. O serviço de quarto também é raro. No entanto, os cruzeiros fluviais são criativos com a comida, é normal que o café e almoço sejam espalhados por bares e lounges, assim como também são realizados churrascos no deck regularmente.

4 - Entretenimento - Grandes produções, shows, musicais, comediantes e espetáculos estilo Broadway são outra diferença entre navios marítimos e fluviais. Nada disso se encontra em roteiros pelos rios. Os shows costumam ficar a cargo de um pianista solo ou pequenos conjuntos, dançarinos folclóricos e outras atrações locais levadas a bordo para shows rápidos nas escalas. O comum nesses casos são seminários educacionais e demonstrações de culinária.

5 - O destino é a atração - Diferentemente dos navios marítimos com mais de uma piscina, parque aquático, área poliesportiva e uma infinidade de atrativos, os cruzeiros fluviais focam no destino. Há pouco o que fazer a bordo e praticamente todo dia de viagem se visita pelo menos um porto, algumas vezes até dois.

6 - Caminhadas - A marca das excursões durante cruzeiros fluviais são as caminhadas com guias. Em algumas viagens ocorrem visitas a museus, cidades históricas e castelos próximos ao destino, além de passeios de bicicleta. Mas geralmente são no máximo duas opções por escala. 

7 - Navegação noturna - Com exceção de alguns trechos cênicos dos rios, dias de navegação são raros. Geralmente os navios atravessam os trechos entre um porto e outro durante a noite ou bem cedo pela manhã.

8 - Mais benefícios - Enquanto é comum nos cruzeiros marítimos pagar por boa parte do que se consome a bordo, nos fluviais quase tudo está incluso na tarifa. Apesar dos pacotes muitas vezes serem significativamente mais caros, eles costumam incluir vinho, cerveja e demais bebidas com as refeições, além das excursões em terra. 

9 - Hora de acordar - Acordar tarde durante um cruzeiro fluvial não é muito indicado, pois os passeios, em geral, ocorrem cedo e os horários são rígidos, portanto, ao dormir até mais tarde provavelmente o hóspede perderá a excursão do dia. A mesma regra vale para os jantares e dificilmente há opção para quem chega tarde no restaurante.

10 - Ancoragem direto nas cidades - É comum em cruzeiros marítimos a escala em portos repletos de containers e máquinas, com longos trechos de concreto que precisam ser atravessados até se chegar ao transporte para as atrações turísticas. Nos cruzeiros fluviais isso não existe. Ao contrário, os navios param diretamente na cidade, às vezes há apenas alguns passos de suas atrações.

11 - É mais rápido viajar de ônibus - A velocidade é uma grande diferença. Navios fluviais podem levar cerca de 12 horas para cruzar um trecho que seria feito em duas horas de ônibus. E quando ocorre qualquer imprevisto, como os níveis do rio alto ou muito baixo para a navegação, a equipe de bordo precisa de um plano B. Assim, é normal fazer parte das viagens de ônibus para que não se perca nada do itinerário. 


Fonte: terra.com.br